segunda-feira, 20 de novembro de 2017

XXXVI - Luís Vaz de Camões

" O amor é fogo que arde sem se ver,
    é ferida que doí e não se sente,
    é um contentamento descontente,
    dor que desatina sem doer"

Autor: Luís Vaz de Camões